Voz e Expressividade: Comunicação verbal e não-verbal.

16/04/2009 - 11:00 hs às 12:00 hs

495 Visualizações

Localidade: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Coordenador(a): Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine.

Palestrante: Dra. Marta Assumpção de Andrada e Silva

Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Professora Assistente da Graduação e Pós-Graduação da PUC.

1) A Dra. Marta Assumpção de Andrada e Silva iniciou a videoconferência dizendo ser um prazer estar presente neste dia, por comemorar-se a “Campanha do Dia Mundial da Voz”. Ela relatou que, desde segunda-feira desta semana, estavam sendo avaliados 400 pacientes na Santa Casa de São Paulo, e ressaltou que o Brasil é o segundo país com maior índice de câncer de laringe. Comentou também que esta é uma campanha de prevenção de câncer de laringe, pois, no Brasil, há muitos problemas de VOZ e, como Fonoaudióloga, falaria sobre os cuidados, prevenções e como realizar uma comunicação mais eficiente;

2) Dra. Marta revelou que resolveu dar ênfase à VOZ e EXPRESSIVIDADE porque, durante certo momento, a “Fonoaudiologia” se dividiu em quatro áreas básicas: Voz, Audiologia, Linguagem e Motricidade Oral. Ressaltou que é muito importante cuidar do paciente em sua comunicação geral, pois este, para ser um bom comunicador, tem que pensar na expressividade, para, então, poder ter uma voz excelente, ou será um péssimo comunicador. Desse modo, a EXPRESSIVIDADE começou a ser algo muito valorizado na Comunicação. Relatou ainda, que o mais importante é tentar entender a EXPRESSIVIDADE, a qual é dividida em duas comunicações: a verbal e a não-verbal. Lembrou também que hoje não basta ter BOA VOZ, é preciso ser EXPRESSIVO. Complementou dizendo que o que faz uma Voz ser agradável não é obrigatoriamente o tom agudo ou o tom grave, mas ser convincente por meio do “Olhar” e dos “Gestos”, que são muito importantes para o ouvinte. É preciso olhar nos olhos do paciente. Já a expressão facial tem que estar sempre de acordo com o Discurso e o Domínio do conteúdo. A adequação do discurso tem que ser dominada para cada público, assim como a velocidade da fala, o uso de pausas, a ênfase e a emoção. “Nenhum discurso é efetivo se não tiver emoção na fala”, frisou Dra. Marta;

3) Dra. Marta levantou algumas questões sobre como cuidar da fala e da “Saúde Vocal”, considerando como os vilões da voz, o cigarro e o álcool. Ressaltou também duas coisas que, hoje em dia, estão sendo muito valorizadas com relação à VOZ: o sono reparador e a alimentação equilibrada. Comentou também sobre a importância da prática regular de atividades físicas e ingestão de água (de 2 a 3 litros/dia). Esclareceu também sobre a importância de se evitar falar em alta intensidade e indagou sobre o que “não devemos comer antes de uma situação de fala”. Deve-se prestar atenção aos derivados do leite (muco/pigarro), às bebidas gasosas, ao café em excesso e às comidas muito temperadas;

4) Dra. Marta se lembrou da Expressividade, de como somos avaliados antes da primeira palavra pela Comunicação não-verbal, que engloba gestos, postura e expressão facial. Já para a Comunicação Verbal, é necessária uma articulação clara, a qual deve estar acompanhada pelo uso de inflexão, pausa e ênfase. Complementou dizendo que é muito importante causar uma boa impressão nos primeiros três segundos, como apontam várias pesquisas;

5) Dra. Marta comentou também sobre o que se deve vestir para falar em público, ressaltando que se deve usar uma roupa adequada, ou seja, ser o mais “clean“ possível. Porém, as roupas não devem chamar muita atenção, como, por exemplo, uma gravata muito colorida, jóias, coisas que brilham ou decotes;

6) Dra. Marta fez algumas colocações sobre a “postura” e o “uso de gestos”, que são muito importantes na comunicação não-verbal, cuja influência é maior do que a das palavras (mais de 70% de peso no discurso). Ela é composta pela Postura; pelos maneios de cabeça; pelo olhar; pelo sorriso; pela expressão facial; pelos gestos. Não gesticular muito as mãos, não desviar os olhares ou dar um sorriso fora de hora, foram algumas das indicações da Dra. Marta, afirmando que esses elementos têm de estar sempre de acordo com o discurso;

7) Comunicação Verbal: Dra. Marta comentou também que é super importante o uso correto da língua, ou seja, usar Pausa e Ênfase; Curva Melódica / Inflexão. É necessário também atenção aos vícios de linguagem e cuidado com siglas, gírias e expressões muito técnicas para públicos que não as dominam;

8) Dra. Marta finalizou ressaltando que para se falar bem o ideal é que você seja claro, objetivo e termine suas respostas com ponto final. Acrescentou ainda que a mulher fala mais com vírgulas do que o homem. Além de terminar com ponto final, devemos ser mais EXPRESSIVOS;

9) Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP) tomou a palavra e fez seus comentários sobre o tema, enfatizando que a Dra. Marta fez uma brilhante apresentação, com gestos e palavras. Então, passou a palavra para Fátima, Gerente Técnica da FEHOSP, a qual disse ter se encantado com a apresentação e que se encaixava em muitas das situações colocadas durante a palestra, como o uso de brincos, brilhos, entre outros. Dr. Sadao passou a palavra às entidades participantes, as quais fizeram seus comentários, questionamentos e debateram sobre o tema, tendo obtido respostas muito pertinentes da Prof.ª Dra. Marta Assumpção de Andrada e Silva. O debate poderá ser melhor acompanhado através do vídeo do evento que se encontra na página do projeto EDUCASUS www.educasus.org.br. Dr. Sadao agradeceu a presença de todos e deu por encerrada a sessão.

Entidades participantes:

SANTA CASA DE MIS. DE ITAPEVA (Fonoaudiólogos da entidade representando Dr. Gilberto Luiz Castro Vinhas, Cardiologista, Coord. Científico da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE LORENA (Ana Carolina de Paula Campos, fonoaudióloga, representando Dr. José Waldyr Fleury de Azevedo, Pediatra, Coord. Científico da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE MARÍLIA – ausente (Dr. Rubens Tofano de Barros, Cirurgião Cardiovascular e Coord. Cientifico); IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE PIRACICABA (Sr. Othoniel Roberto Cavion, Coord. Administrativo, representando Dr. Walter Alonso Chécoli, Coord. Científico, Cardiologista e Fonoaudiólogos da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE SOROCABA (Sr. Antonio José Duarte, Responsável Administrativo, representando Dr. Aristides Camargo, Coord. Científico da entidade, e fonoaudiólogos convidados); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE VOTUPORANGA (Dr. João Paulo de Lima Pedroso, especialista em cirurgia torácica, Coord. Científico da entidade, e fonoaudiólogos); FEHOSP (Maria Fátima da Conceição, Gerente Técnica), HOSPITAL SÄO LUIZ GONZAGA – não linkado (Dr. André Ramos Neto, Ginecologista e Coord. Científico da entidade) e HOSPITAL GERAL DE GUARULHOS (não linkado).

Participantes:

Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP).

Sem apresentação de powerpoint