Pediatria: Futuro da Especialidade.

09/03/2009 - 19:00 hs às 20:00 hs

183 Visualizações

Localidade: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Coordenador(a): Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine.

Palestrante: Dr. Rogério Pecchini

Diretor do Departamento de Pediatria e Puericultura da ISCMSC.

1) Dr. Rogério Pecchini inicia a videoconferência dizendo que iria abrir alguns dados sobre o tema “Pediatria: Futuro da Especialidade” para gerar uma discussão sobre os problemas enfrentados pela Pediatria atualmente, principalmente na cidade de São Paulo, dizendo: que” têm sido uma dor de cabeça conseguir Pediatra, conseguir dar atenção necessária e completar a escala médica aqui na capital para prestar uma Assistência com mais qualidade à criança”, frisou o Dr. Rogério;

2) Definição: A Pediatria é a especialidade médica dedicada à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspectos, sejam eles preventivos (Puericultura) ou curativos, comentou o Dr. Rogério;

3) Dr. Rogério Pecchini apresentou um gráfico que mostra a População Residente por Faixa Etária – UF: São Paulo (2008), indicando o tamanho da população de crianças e adolescentes pelos quais os Pediatras são responsáveis, dando um total de: 12.892.068 da população entre crianças e adolescentes, de 0 a 19 anos de idade no Estado de São Paulo, frisando que “é um contingente muito grande de pessoas para serem cuidadas”;

4) Taxa de natalidade: a taxa de nascidos vivos, dados do DATASUS, desde 2001 até 2006, vem caindo progressivamente, chegando a um patamar de 685.000 a 690.000 nascidos vivos em 2001, até os patamares atuais, um pouco mais de 600.000 crianças nascidas vivas ao longo do ano. O Dr. Rogério ressaltou que temos uma população de expectativa cada vez mais alta. “A nossa população está envelhecendo, e acredito que este seja um dos grandes campos de atuação da Pediatria, não só no futuro, mas, principalmente agora”, frisou o Dr. Rogério;

5) “A população também fica doente, mas, o objetivo é que ela não fique doente”, comentou o Dr. Rogério. “Observa-se no gráfico o número de internações em 2008 de crianças menores de 1 ano de idade (dados do DATASUS), por qualquer tipo de doença, sendo as mais prevalentes: doenças respiratórias e infecto-contagiosas, podendo concluir-se, que em São Paulo tiveram 112.000 internações, um contingente muito grande que deveria movimentar uma grande quantidade de profissionais para cuidar desta população com necessidade de internação e cuidados hospitalares”, frisou o Dr. Rogério;

6) Dr. Rogério Pecchini comentou também, sobre os óbitos infantis no Estado de São Paulo, dizendo: “A taxa de mortalidade em crianças menores de 1 ano de idade, vem caindo progressivamente, portanto em 1980, nós tínhamos uma mortalidade em torno de 37.000 crianças. Atualmente, os patamares do DATASUS estão em torno de 8.000 mortes/ano, uma diferença bastante espantosa”;

7) Formação Médica: Dr. Rogério fez a seguinte pergunta para debate entre os participantes: “Por que o aluno de Medicina não faz Pediatria? Seria devido à falta de valorização do Pediatra; à expectativa quanto ao mercado de trabalho; ou por que a Pediatria exige uma relação médico-paciente diferenciada; aos procedimentos; ou à medicina focada em tecnologia e altamente especializada?” Comentou que “acredita que ao longo dos anos, houve uma falta de valorização progressiva do profissional, pois, o profissional que atua com Pediatria vem sendo desvalorizado, não só do ponto de vista financeiro, mas, do ponto de vista de seu papel, de sua importância dentro do hospital”;

8) Mercado: Dentro do Banco de Empregos Médicos (CREMESP E APM) há 121 vagas ofertadas. O salário varia de R$ 2905,66 (20 horas semanais) a R$ 7000,00 (40 horas semanais), e o valor do plantão varia de R$ 600,00 a R$ 700,00 (plantões de 12 horas), comentou o Dr. Rogério. Outra coisa importante que citou, é que o perfil do Pediatra, é diferenciado, pois, é um profissional muito voltado para a relação médico – paciente, e esta relação tem mais uma ligação com outro paciente que é a mãe, onde muitas vezes, é necessário uma atenção especial, frisou o Dr. Rogério;

9) Dr. Rogério comentou também sobre o Futuro do Pediatra: “Com a expectativa de vida podendo chegar até 100 anos o grande desafio deste é a prevenção de doenças crônicas dos adultos e idosos, modificando hábitos nocivos à saúde futura, os quais se estabelecem nesta faixa etária, tais como: obesidade, diabetes, aterosclerose, hipertensão arterial, pneumopatias, entre outras”;

10) Áreas de atuação do Pediatra: “Nutrologia; Doenças Alérgicas; Doenças Imunopreveníveis; Obesidade infantil e Desnutrição, Prevenção de acidentes; Violência na Infância e Doenças Respiratórias, principalmente. Atuação também na prevenção e tratamento das doenças infecciosas (transição epidemiológica no Brasil), assim como prematuridade e cuidados de crianças com doenças crônicas”, complementou o Dr. Rogério. O doutor então abriu espaço para discussão entre as entidades participantes, finalizando: “Que toda discussão deve ser pautada na: “ARTE DE SER PEDIATRA”;

11) O Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP) tomou a palavra e perguntou para o Dr. Rogério: “De acordo com seus gráficos apresentados, embora a formação para Pediatra esteja diminuindo, a saúde destas crianças tem melhorado: vacinação e uma série de procedimentos que a Pediatria já adotou há certo tempo. Hoje, diminuiu o número de doenças na infância. Isto repercute uma menor demanda de Pediatras, ou é só uma questão realmente de uma área que por falta de procedimentos não se têm médicos querendo ser Pediatras?” Dr. Rogério respondeu: “São duas coisas diferentes: A necessidade do Pediatra é cada vez maior. Cada vez mais os pais têm dificuldades de conduzir os seus filhos, e atuar em prevenção, principalmente na capital, nas UBSs e consultórios, estão esvaziados. Apesar da vacinação, nutrição, aqui em São Paulo em particular, por ter um clima ruim com poluição, existe um grande contingente de crianças procurando o Pronto Socorro: com febre, doenças respiratórias, que não são cuidadas e deveriam ser vistas pelo seu Pediatra Geral”. Dr. Sadao passou a palavra às entidades participantes que fizeram seus comentários e perguntas, debatendo sobre o tema, tendo recebido respostas do Dr. Rogério com muita precisão, as quais poderão ser melhor acompanhadas através do vídeo do evento que se encontra na página do projeto EDUCASUS www.educasus.org.br. Dr. Sadao agradeceu a presença de todos e deu por encerrada a sessão.

Entidades participantes:

SANTA CASA DE MIS. DE ITAPEVA (Dr. Arnaldo e Dra. Lucia, Pediatras da entidade, representando o Dr. Gilberto Luiz Castro Vinhas – Cardiologista); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE LORENA (Dr. José Waldir Fleury de Azevedo – Pediatra); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE MARÍLIA (Dr. Marcelo Santili, Pediatra, representando o Dr. Rubens Tofano de Barros – Cirurgião Cardiovascular, Coord. Científico da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE PIRACICABA (Sr. Othoniel Cavion, Coord. Administrativo e equipe, representando o Dr. Walter Alonso Chécoli – Coord. Científico – Cardiologista da entidade); FUNDAÇÃO e MATERNIDADE SINHA JUNQUEIRA (Ribeirão Preto-ausente); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE SOROCABA (Dr. Aristides Camargo, Coord. Científico da entidade e o Provedor, Dr. José Antonio Fasiaben); IRM DA SANTA CASA DE MIS DE VOTUPORANGA (Dr. Carlos Alberto Teles, representando o Dr. João Paulo de Lima Pedroso, especialista em cirurgia torácica – Coord. Científico da entidade); FEHOSP (Maria Fátima da Conceição – Gerente Técnica, ausente), HOSPITAL SÄO LUIZ GONZAGA (não linkado) e HOSPITAL GERAL DE GUARULHOS (não linkado).

Participantes:

Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP).

Sem apresentação de powerpoint