Dislipidemias e seu Tratamento.

20/08/2009 - 11:00 hs às 12:00 hs

153 Visualizações

Localidade: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Coordenador(a): Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine.

Palestrante: Dr. Renato Jorge Alves

Assistente da Clínica de Cardiologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórida de São Paulo; Doutor pelo INCOR do Hospital das Clínicas da USP.

1) O Dr. Renato Jorge Alves iniciou a videoconferência agradecendo o convite e, também por poder fechar a Semana do Coração, com o tema Dislipidemia. Lembrou que este é um tema muito importante, já que é um dos principais fatores de risco para aterosclerose;

2) Dr. Renato ressaltou a evolução da aterosclerose ao longo do tempo: células espumosas, estria de gordura, lesão intermediária, ateroma, placa fibrosa, lesão complicada / ruptura. Disfunção endotelial: Desde a primeira década de vida – Principal crescimento devido à acumulação de lípides; desde a terceira década de vida – Músculo liso e colágeno; desde a quarta década de vida– Trombose hematoma. Indagou qual a importância do colesterol na DCV. Papel da redução do LDL-c na prevenção;

3) Dr. Renato lembrou que, até 2040, a mortalidade por IAM (Infarto Agudo do Miocárdio) aumentará em 250% no Brasil. Esse aumento será o maior em todo o mundo, e será cerca de 3,5 vezes o observado nos países desenvolvidos. Ressaltou ainda o significado clínico de um LDL-c mais baixo;

4) Dr. Renato mostrou uma metanálise de mais de 90.000 pacientes oriundos de 14 estudos, que avaliaram o tratamento com estatinas versus placebo durante cinco anos. Estes estudos demonstram que há relação direta entre a queda de LDL-C e o risco de doença cardiovascular. Para cada 39 mg/dL de queda no LDL-C, há diminuição de 22% nos eventos coronários, 17% no AVC e 12% na mortalidade cardiovascular. A relação é uma reta proporcional. Se caso houver redução de cerca de 60 mg/dL, a diminuição do risco será 50% maior;

5) Dr. Renato indagou se o benefício aumenta com o tempo. A meta de terapia em pacientes com CHD é reduzir o colesterol LDL a 100 mg/dL, ou abaixo disso. Os pacientes com CHD estabelecido ou outra doença de aterosclerose, devem receber terapia de droga quando níveis de colesterol LDL são de 130 mg/dL. O grau de risco deve indicar a severidade de intervenção. Por exemplo, diretrizes de NCEP declaram que para pacientes sem história de CHD, mas que tem dois ou mais fatores de risco (tal como tabagismo e hipertensão), o LDL deve ser trazido sob 130 mg/dL. Menos intervenção agressiva pode ser garantida se menos fatores de risco estão presentes. Com esta exposição, o ponto de corte de LDL é 160 mg/dL para pacientes com menos que dois fatores de risco;

6) Dr. Renato apresentou mais alguns gráficos, e destacou que, quando se avalia o LDL menor que 70 mg/dL, considera-se índice de êxito, por gênero, em casos com CHD. Notam-se índices muito baixos de meta em ambos os gêneros. Contudo, eles eram mais baixos para mulheres do que para homens, 27,5% e 31%, respectivamente;

7) Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP) tomou a palavra e fez a seguinte pergunta: “A doença do colesterol alto está relacionada a países mais desenvolvidos, onde a dieta é mais rica em proteína?” Dr. Renato respondeu: “Não é bem assim. A gente pode classificar por país. Por exemplo, países que consomem gordura saturada demais, como Estados Unidos, Finlândia, os quais, hoje, mudaram o cenário. Se pegarmos há vinte anos, a Finlândia tinha a maior Hipercolesterolemia. Mas hoje, eles mudaram a dieta e conseguiram regredir isso. Em países mais misturados como o Brasil, as classes C e D, também sofrem do mal, porque a alimentação não está correta, pois há grande presença de restaurantes fast-food.” Dr. Eduardo Sadao fez mais algumas perguntas e, então, passou a palavra às entidades participantes, as quais fizeram seus comentários, questionamentos e debateram sobre o tema, tendo obtido respostas muito pertinentes do Dr. Renato Jorge Alves. O debate poderá ser melhor acompanhado através do vídeo do evento que se encontra na página do projeto EDUCASUS www.educasus.org.br. Dr. Sadao agradeceu a presença de todos e deu por encerrada a sessão.

Entidades participantes:

SANTA CASA DE MIS. DE ITAPEVA – não linkado; IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE LORENA – não linkado; IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE MARÍLIA – não linkado; IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE PIRACICABA (Sr. Othoniel Roberto Cavion – Coordenador Administrativo da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE SOROCABA (Funcionários representando Dr. Aristides Camargo – Coord. Científico da entidade); IRM DA SANTA CASA DE MIS. DE VOTUPORANGA (Funcionários representando Dr. João Paulo de Lima Pedroso – Coord. Científico da entidade); FEHOSP – não linkado; HOSPITAL SÄO LUIZ GONZAGA – não linkado; HOSPITAL GERAL DE GUARULHOS – não linkado; SANTA CASA DE MIS. DE RIBEIRÃO PRETO (Dr. Luiz Eduardo).

Participantes:

Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine (Coordenador de Ensino à Distância de Telemedicina da FCMSCSP).

Sem apresentação de powerpoint.