Indicações e Contraindicações de Exames Radiológicos em Diferentes Condições Clínicas.

21/09/2011 - 11:00 hs às 12:00 hs

51 Visualizações

Localidade: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Coordenador(a): Dra. Flávia Jaqueline Almeida.

Palestrante: Prof. Dr. Roberto Avritchir

Doutor em Medicina Pediátrica pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) e Professor Assistente da FCMSCSP.

1) Prof. Dr. Roberto Avritchir iniciou a videoconferência abordando os exames adequados para serem feitos de acordo com a situação clínica do paciente. Colocou-se à disposição para esclarecimentos de dúvidas e troca de ideias. Disse que a grande dificuldade hoje é no meio da imagem, já que existem vários métodos. Disse que é fundamental ter a história clínica do paciente em mãos para definir isso. O fator número um, falando do diagnóstico em pediatria, é a radiação. É importante lembrar que radiação é cumulativa e quanto menor o paciente, maior o dano de radiação. Apresentou um pequeno quadro demonstrando as vantagens e desvantagens de cada exame. Quando fala-se em berçário, a radiografia tem que incomodar o menos possível o paciente. Mostrou diversas imagens de radiografia, explicando em detalhes cada uma delas. Disse que é fundamental o acesso venoso para os pacientes, principalmente em crianças de berçários, usando o termo “o acesso venoso é a linha da vida!”. Lembrou que quando é feito um acesso venoso e não é usado o método guiado, é possível aumentar a morbidade e a mortalidade do paciente. Explicou com imagem uma das situações que acontecem de perfuração, com relação à passagem do cateter. Os métodos mais usados no berçário são as radiografias convencionais e ultrassonografias;

2) Prof. Dr. Roberto ressaltou que é importante questionar, por exemplo, se faz sentido um caso de dor abdominal de longa evolução, se esse abdome pode ser inflamatório ou obstrutivo e como a radiografia simples ajuda no trauma do paciente. Disse que no entender médico, a radiografia simples tem lugar, porém cada vez menor. Isso devido à dose de radiação e da condição clínica do paciente. Deu continuidade apresentando mais imagens de radiografias e tomografias, dentre outros métodos de imagem, explicando em detalhes cada um deles. Lembrou que na maioria das vezes, a radiografia quer dizer duas incidências: pelo menos, uma radiografia de frente ou PA e uma de perfil, principalmente nas crianças. Em neurorradiologia, por exemplo, a ressonância magnética é o melhor método de imagem;

3) Prof. Dr. Roberto enfatizou que é muito importante tomar cuidado com o que é colocado no parquinho de diversões. Alguns brinquedos são de alto risco e é preciso avaliar isso nas escolas e na comunidade. No entendimento médico a radiografia de trauma/crânio não deveria ser realizada. Explicou que se a radiografia não está normal, a criança está sonolenta e o médico acha que ela tem uma lesão, a radiografia não mostrará isso. Um outro exame a ser feito é a tomografia. Disse, porém, que se for fazer a tomografia e não tiver o tomógrafo, não terá recursos para manusear esse paciente no ambiente em que o médico está. Em vários países a radiografia de crânio para trauma não é realizada. Mostrou uma imagem típica de tomografia do hemastoma extradural, onde é possível fazer o diagnóstico. A tomografia ajuda, mas se tiver a ressonância esse será o primeiro exame a ser requisitado. Explicou que a radiografia de tórax, na medida do possível, em pronto-socorro, onde, não envolva trauma ou rotina diária, se for realizada é preciso que seja feita a radiografia em AP e uma radiografia em perfil. Finalizou sua apresentação ressaltando que criança tem que brincar e se prevenir, e a função do médico na área da saúde e fazer o procedimento ideal quando as coisas não correm bem, realizar o diagnóstico da maneira mais prática, racional e disponível possível.

4) Dra. Flávia Jaqueline Almeida (Coordenadora do Curso de Educação Continuada – Excelência em Pediatria) tomou a palavra, fez alguns comentários e questionamentos, tendo obtido respostas muito pertinentes do Prof. Dr. Roberto Avritchir. O debate pode ser acompanhado pelo vídeo do evento disponível na página do projeto EDUCASUS: www.educasus.com.br. A Dra. Flávia agradeceu a presença de todos e encerrou a sessão.

Entidades participantes:

SANTA CASA DE ADAMANTINA, SANTA CASA DE ARAÇATUBA, FUSAM, SANTA CASA DE JAÚ, SANTA CASA DE MARÍLIA, SANTA CASA DE ITAPEVA, SANTA CASA DE MOGI MIRIM, SANTA CASA DE SANTOS, SANTA CASA DE SOROCABA, SANTA CASA SANTOS, SANTA CASA DE VOTUPORANGA e FEHOSP.

Participantes:

Dra. Flávia Jaqueline Almeida (Coordenadora do Curso de Educação Continuada – Excelência em Pediatria).

Sem apresentação de powerpoint